Efeitos da Soldagem na Saúde

Compartilhe:Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Email this to someone

Os soldadores trabalham sob uma variedade de condições: ao ar livre, dentro de espaços abertos e confinados, submersos e acima do solo em canteiros de obras. Eles também usam um grande número de processos de soldagem e corte que, geralmente, produzem fumos, gases, radiação e outros agentes potencialmente prejudiciais. A revisão que se segue tenta avaliar os efeitos desses agentes na saúde dos soldadores.

Neste artigo nos concentraremos nos efeitos da saúde diretamente no processo de soldagem. Ele não tenta tratar problemas de segurança, nem cobre em detalhes os perigos que, embora freqüentemente encontrados no ambiente de trabalho, não são criados diretamente pelo processo de soldagem.

A saúde ocupacional depende das condições e exposições presentes no ambiente dos trabalhadores. Deve-se levar em consideração os agentes físicos e químicos aos quais os soldadores podem ser expostos, as condições e os efeitos dessa exposição sobre o sistema respiratório, pele, olhos e órgãos internos.

Os processos de soldagem mais usados ​​emitem fumaça, gases, radiação eletromagnética e ruído como subprodutos de sua operação. Durante a soldagem, os trabalhadores estão potencialmente expostos a todos esses agentes. Os fumos são quimicamente muito complexos, originários dos metais de preenchimento e de quaisquer revestimentos ou núcleos de eletrodos. A exposição potencial varia com o processo e as condições de soldagem empregadas.

Inúmeros relatos dos efeitos da soldagem na saúde foram publicados. Muitos casos de intoxicação aguda, devido à exposição excessiva a um ou mais gases e fumos, foram documentados. No entanto, além do envolvimento pulmonar, poucos efeitos crônicos foram atribuídos à soldagem e, em quase todos os estudos de efeitos crônicos, a soldagem de metais ferrosos sem o uso adequado de proteção estava envolvida. Frequentemente, os estudos publicados não foram adequadamente projetados para detectar os efeitos da exposição crônica e não examinaram adequadamente grupos especiais (soldadores de alumínio ou aço inoxidável, por exemplo) com fatores de exposição únicos.

Confira abaixo alguns efeitos e sua relação com a soldagem.

Trato Respiratório

A exposição ao gás de ozônio gerado durante a solda, especialmente de alumínio, podem produzir irritação e inflamação das vias respiratória e, por vezes, dor de cabeça e irritação dos olhos. O ozônio é gerado pela ação da radiação ultravioleta emitida no oxigênio atmosférico. Óxidos de nitrogênio e chamas pela oxidação térmica do nitrogênio atmosférico também poder ser produzidos e apresentam efeitos semelhantes no trato respiratório.
Soldadores que inalam os fumos podem sentir gosto metálico na boca, calafrios, sede, febre, dores musculares, dor no peito, fadiga, dor gastrointestinal, dor de cabeça, náuseas e vômitos. Os sintomas geralmente desaparecem dentro de 1 a 3 dias após a exposição, sem efeito residual.

Condições pulmonares crônicas

A inalação prolongada de partículas de fumos de soldagem leva à sua acumulação nos pulmões, o que pode ser visto em radiografias do tórax como uma área densa. No entanto, as alterações observadas em tais radiografias não estão necessariamente associadas à redução da função pulmonar ou doença.
Em geral, verificou-se que os soldadores de materiais ferrosos têm uma frequência maior de sintomas respiratórios, como bronquite. Não foram feitos estudos conclusivos para determinar se a redução da função pulmonar, enfisema ou outras condições respiratórias crônicas geralmente ocorrem com mais frequência nesses grupos do que nos não-soldadores.
Níveis significativos de ozônio são produzidos em certas operações de soldagem com gás de proteção. A exposição prolongada de animais experimentais a este gás induziu a formação de tecido fibroso e causou efeitos semelhantes a enfisema nos pulmões. Não há estudos sobre os efeitos em longo prazo deste gás em soldadores expostos a ele.
Estudos dos efeitos da fumaça de solda em animais experimentais indicaram excesso de deposição de tecido fibroso nos pulmões quando uma variedade de metais foi soldada. No entanto, nesses experimentos, as concentrações de fumaça sempre foram muito altas e as condições experimentais foram descritas de forma incompleta. Portanto, é difícil relacionar a importância desses achados para a experiência de soldagem.

Olhos

Radiação ultravioleta visível e infravermelha são emitidas pelo arco de soldagem. Soldadores que não usam proteção ocular correm risco com os efeitos dessa radiação.
A radiação ultravioleta produz uma inflamação nas estruturas externas dos olhos, que somem dentro de 1 a 2 dias. A radiação infravermelha penetra no interior do olho e pode causar queimaduras na retina.

Pele

A pele exposta é suscetível aos efeitos da radiação ultravioleta do arco e de quaisquer componentes do fumo capazes de sensibilização ou irritação da pele. Os compostos de cromo, que ocorrem na soldagem de aço inoxidável, são uma causa frequente de dermatite.

Doença Cardiovascular

Eletrocardiogramas e testes de pressão sanguíneas foram usados em vários estudos. Na maioria destes, eletrocardiogramas de soldadores não diferiram significativamente dos grupos controle de não-soldadores. O grupo estudado mostrou ter pressão arterial normal em relação aos grupos de controle.
O monóxido de carbono gerado a partir do dióxido de carbono nos processos de soldagem protegidos por gás combina pode se agregar às hemoglobinas, reduzindo a capacidade de transporte de oxigênio do sangue. A exposição ao monóxido de carbono pode representar um risco acrescido para a saúde das pessoas com doença cardíaca. Nenhum estudo de doenças cardíacas em soldadores que realizam soldagem com blindagem de dióxido de carbono foi documentado.

Carcinogenicidade

Com base nas informações disponíveis, não há evidências de que a exposição a fumos e gases de fumo induza câncer nos pulmões ou outras formas de câncer. Mais estudos ainda são necessários com grupos expostos a tipos específicos de fumos.

 

Fonte: American Welding Society